Arolyn Kaster/AP
Arolyn Kaster/AP

Tour de Obama evita locais mais hostis

Cidades escolhidas para início de viagem pelo Meio-Oeste são redutos de democrata

Denise Chrispim Marin, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2011 | 00h00

ENVIADA ESPECIAL, CANNON FALLS, EUA - Apenas uma placa "Pare Obama", em uma estrada vicinal, marcou a presença de resistência à reeleição do presidente dos Estados Unidos nas pequenas Cannon Falls, em Minnesota, e Decorah, em Iowa.

O primeiro corpo a corpo de Barack Obama com o eleitorado foi organizado para destacar a preocupação do presidente com a economia do país - não com o resultado da disputa de 2012. Da mesma forma, foi montado para atingir um público amistoso e cordial, ansioso por ver um presidente americano finalmente passar por ali e, em boa medida, eleitor de Obama desde 2008.

Minnesota tem uma das menores taxas de desemprego do país - 6%, em junho -, assim como a vizinha Iowa, onde Obama continuará hoje sua missão em um encontro direto com empresários do setor do agronegócio.

Illinois, onde o presidente cumpre mais um contato direto com o eleitorado, tem taxa de desemprego similar à nacional. Ainda assim, é o berço político do candidato à reeleição e sede de sua campanha. A busca de um lugar afável para ser visitado traz um componente próprio da política eleitoral americana. A vitória não é dada pela conquista de votos da oposição. Em geral, pela capacidade de cada partido atrair os seus eleitores às urnas.

A minoria independente pode ajudar um dos lados. Mas o empenho de eleitores de carteirinha em atrair os menos motivados a votar é algo quase sempre definitivo. Obama começou com Estados movediços na política, Minnesota e Iowa, onde esse desempenho fará enorme diferença.

No final tarde, após ter pedido seis pedaços de torta no Café Mill, em Minnesota, Obama mostrou-se mais ferino com os republicanos em outro encontro com famílias em Decorah, Iowa, e incitou novamente os eleitores a pressionar o Congresso em favor de reformas. "Estamos nos movendo do lado certo. Mas não é fácil, pois o outro lado não é razoável", queixou-se. "Não posso (forçar os republicanos a fazer compromissos com os democratas). Mas, vocês podem", afirmou às cerca de 500 pessoas.

Minnesota é o Estado da deputada federal Michele Bachmann, a vencedora da pesquisa de opinião republicana de Iowa, no sábado, e a presença mais forte dos radicais do Tea Party entre os pré-candidatos. Mas Bachmann não chega a ser vista com seriedade nem mesmo em sua legenda.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.