Trabalhadores de diversos setores entram em greve

Produtores rurais, metalúrgicos, portuários, bancários, servidores de hospitais, motoristas de transportes coletivos, motoristas de distribuição de combustíveis líquidos e outras categorias cruzam os braços hoje na Argentina por diferentes razões. A quinta-feira de greves no país marca a temporada de negociações salariais, evidencia a elevada taxa de inflação, expõe disputas sindicais pelo poder e sela a fissura da Central Geral do Trabalho (CGT) com o governo de Cristina Kirchner.

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE, Agência Estado

10 Maio 2012 | 12h14

Os trabalhadores do Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa) também começaram hoje uma greve de 72 horas. Os bancários portenhos iniciam paralisação neste dia, assim como os empregados dos hospitais da província de Santa Fé, os motoristas de transportes coletivos de Córdoba, e os metalúrgicos de todo o país. Os funcionários dos portos de Rosário, onde se encontra o maior polo agroexportador do país, iniciam hoje um bloqueio das unidades processadoras das companhias para pedir um incremento do salário mínimo. O piquete é por tempo indeterminado, o que pode afetar seria mente as exportações de oleaginosas, grãos e derivados.

As reivindicações salariais entre março e maio são habituais na Argentina porque esse é o período de negociações dos acordos coletivos de trabalho. Porém, a discussão se torna mais tensa porque há duas medições de inflação: a oficial, que aponta para alta anual em torno de 10%, e a de consultorias e institutos privados, que oscilam entre 22% e 25%. O governo tem pressionado os sindicatos para que os reajustes fiquem em torno de 18% para não disparar as expectativas inflacionárias.

No entanto, nem todos os protestos são pela atualização salarial. Os produtores rurais da província de Buenos Aires, a maior produtora agropecuária do país, deixaram de comercializar seus produtos desde a meia-noite para protestar contra o aumento de 400% no imposto territorial rural que deve ser aprovado hoje pela Assembleia Legislativa provincial. A paralisação vai durar até domingo e significa que a indústria, o comércio e os portos para embarques destinados à exportação não receberão grãos e produtos animais durante o período.

Mais conteúdo sobre:
ARGENTINA GREVE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.