Trabalhadores de Fukushima entram pela primeira vez no reator 2 da usina

Funcionários da Tepco estiveram dentro de reator por 15 minutos para medir índices de radiação

Efe

18 de maio de 2011 | 09h42

TÓQUIO - Trabalhadores da Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da usina de Fukushima, entraram nesta quarta-feira, 18, no edifício do reator 2 da central pela primeira vez desde a explosão de hidrogênio registrada dias depois do tsunami de 11 de março.

 

Leia mais:

link País precisa revisar regulamentação nuclear, diz premiê japonês

 

Segundo informou a rede de televisão "NHK", quatro trabalhadores permaneceram no interior do edifício durante 15 minutos para revisar os níveis de radiação e as condições da estrutura.

 

Tal qual ocorreu quando outros técnicos da Tepco entraram há quase duas semanas no edifício do reator 1, os operários usavam trajes protetores e tanques de ar nesta quarta-feira.

 

Segundo a operadora da central, os operários foram expostos a níveis de radiação entre 3,33 e 4,72 milisieverts, quando a legislação japonesa permite que na situação de emergência de Fukushima os trabalhadores recebam até 250 milisievert anuais.

 

Um robô havia entrado no edifício do reator 2 em 18 de abril para medir a radiação, mas não concluiu sua tarefa devido a elevados níveis de umidade de até 90%.

 

O terremoto e o tsunami de 11 de março interromperam o sistema de resfriamento de quatro reatores da central de Fukushima, gerando o acidente nuclear mais grave desde o de Chernobyl, em 1986.

 

Em 15 de março, ocorreu uma explosão por combustão de hidrogênio no edifício do reator 2 de Fukushima, após duas detonações similares registradas no dia 12 na unidade 1 e um dia depois no reator 3.

 

Os trabalhadores da Tepco trabalham desde então para atenuar constantes problemas, após constatar que o núcleo do reator 1 sofreu uma fusão e que possivelmente o mesmo ocorreu com as unidades 2 e 3.

 

No reator 3 está em andamento desde a noite desta terça-feira uma operação para transferir a água altamente contaminada do edifício de turbinas para um contêiner temporário, e o nível de água já desceu 144 centímetros, segundo a Tepco.

 

A operadora de Fukushima manteve nesta terça-feira o mês de janeiro de 2012 como o prazo limite para colocar um fim à crise nuclear na central.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.