Trabalharemos para acabar com terrorismo, diz Obama

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou aumento do salário mínimo para funcionários federais. O aumento, que estava parado no Congresso por conta da oposição dos republicanos, deve ser feito via decreto. Em seu discurso na noite de hoje, Obama prometeu ainda fechar a base de Guantánamo, disse que as tropas norte-americanas vão sair do Afeganistão até o final do ano e disse que a cooperação internacional é importante para lidar com as ameaças do terrorismo. "Temos que continuar trabalhando com parcerias para desmantelar redes terroristas."

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE, Agência Estado

29 de janeiro de 2014 | 06h46

"Os EUA têm que se retirar de uma trilha de guerra permanente", afirmou. Obama ressaltou que quando ele chegou à Casa Branca, havia 180 mil soldados norte-americanos no Iraque e Afeganistão. Agora, as tropas se retiraram do Iraque e 60 mil já deixaram o Afeganistão.

O presidente chamou atenção para que o perigo do terrorismo continua presente. Enquanto líderes importantes da al Qaeda foram vencidos, a ameaça continua, na medida em que afiliadas da organização e outros extremistas estão em diversas partes do mundo, como Somália, Iêmen, Síria e Iraque. "Temos que continuar trabalhando com parceiros para desmantelar e cortar essas redes", afirmou. Na Síria, Obama destacou que os EUA vão apoiar a oposição que rejeita a agenda de redes terroristas. Para o presidente, é preciso dar uma chance à diplomacia, pois nem tudo pode depender de forças militares.

Sobre o Irã, Obama frisou que os EUA estão engajados para que o país no Oriente Médio não desenvolva armas nucleares. O presidente ressaltou que é a diplomacia norte-americana que tem conseguido fazer esse programa parar de andar, por meio de negociações, que segundo ele, são lentas e difíceis. "Mas se essa postura não der certo, serei o primeiro a pedir novas sanções ao Irã", afirmou.

Nos EUA, ele prometeu acabar com ataques de hackers pela internet. Obama prometeu não mandar as tropas norte-americanas para outros lugares a menos que seja "totalmente necessário". Sobre o controle de armas, o presidente frisou que vai se empenhar para evitar outras tragédias. "Os Estados Unidos são um local mais seguro hoje", disse ele. (Altamiro Silva Júnior, correspondente - altamiro.junior@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:
euaobamaterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.