Trabalho em fábricas de brinquedo da China é brutal, diz grupo

Um grupo de direitos dostrabalhadores disse ter encontrado "condições brutais" eviolações trabalhistas em oito fábricas chinesas que fazembrinquedos para grandes multinacionais e exortou as empresas aassumirem a responsabilidade pelo baixo padrão. O grupo China Labor Watch, que tem base nos Estados Unidos,disse em um relatório divulgado nesta terça-feira, apósdiversos meses de investigação, que as empresas chinesas, quetrabalham para empresas globais como Disney, Bandai e Hasbro,dão pouco valor "aos padrões mais básicos do país". "Salários são baixos, os benefícios são inexistentes, osambientes de trabalho são perigodos e as condições de vida,humilhantes", disse o relatório. O relatório coincide com um período de crescente observaçãodas exportações chinesas devido a preocupações de segurança,uma semana depois que a Mattel recolheu milhões de brinquedos,incluindo 436.000 carros de sua linha "Cars", porque poderiamconter quantidade excessiva de chumbo. A China também foi criticada pela segurança de alimentos,drogas e outras exportações, de pneu a pasta de dente.Autoridades dizem que a vasta maioria das exportações do paísatende aos padrões. O relatório concluiu que "políticas de visão curta" levamgrandes empresas a "fazerem vista grossa à segurança eignorarem as condições de trabalho em suas fábricasfornecedoras também". "Em vez de se concentrarem em melhorar a segurança dosprodutos e as vidas dos trabalhadores, as empresas gastam suaenergia criando panfletos bonitos sobre responsabilidadesocial, contestando relatórios críticos e transferindo aculpa." A Walt Disney Company International disse que suasafiliadas levam muito a sério alegações de práticas injustas detrabalho e que elas são investigadas e tratadas imediatamente. "Temos um compromisso firme com a segurança e o bem-estardos trabalhadores e com padrões de trabalho justos", disse aporta-voz Alannah Goss em comunicado enviado por email. Não foi possível entrar em contato com a Hasbro e ajaponesa Bandai recusou-se a comentar. Oitenta por cento dos brinquedos vendidos nos EUA, emnegócios de 22,3 bilhões de dólares, são feitos na China, dissea China Labor Watch, que promove direitos trabalhistas no paísdesde 2000. (Reportagem adicional de Aiko Hayashi em Tóquio)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.