Doug Mills/EFE/EPA
Doug Mills/EFE/EPA

Tradutor afegão que ajudou a resgatar Biden em 2008 implora a presidente que ajude sua família

Equipe de Mohammed dirigiu por horas em vale remoto do Afeganistão para buscar o democrata, então senador, e dois colegas após uma tempestade de neve foçar um pouso de emergência

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2021 | 05h00

CABUL - Um intérprete afegão que ajudou a resgatar o então senador Joe Biden de um vale remoto no Afeganistão em 2008 implorou ao presidente para salvá-lo e à sua família, informou o Wall Street Journal.

“Olá, senhor presidente: salve a mim e minha família”, escreveu Mohammed em um artigo publicado no Journal. "Não me esqueça aqui."

O jornal não divulgou o sobrenome de Mohammed por motivos de segurança.

Em 2008, dois helicópteros Black Hawk do Exército transportavam três senadores americanos, Biden, John F. Kerry e Chuck Hagel, quando foram forçados a fazer um pouso de emergência devido a uma forte tempestade de neve. Mohammed se juntou a uma missão de resgate com a Guarda Nacional do Arizona e a 82ª Divisão Aerotransportada. Eles dirigiram horas para resgatar os políticos, segundo Brian Genthe, que na época era sargento da Guarda Nacional.

O vale onde as autoridades americanas pousaram não ficava em território do Taleban, mas a 82ª Divisão Aerotransportada havia enfrentado o grupo extremista em uma luta importante nas proximidades, relatou o Journal.

Mohammed, sua esposa e quatro filhos estão entre os vários aliados locais que ficaram para trás depois que os Estados Unidos se retiraram do Afeganistão na segunda-feira, 30. Muitos estão desesperados para fugir do país governado pelo Taleban.

Mohammed disse que está se escondendo do Taleban depois de anos tentando sair do país dilacerado pela guerra. Seus esforços para escapar foram frustrados pela burocracia: ele solicitou um visto especial de imigrante, mas seu pedido foi suspenso depois que o empreiteiro de defesa para o qual trabalhava perdeu os documentos exigidos, disse Genthe.

Na terça-feira, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, agradeceu a Mohammed por seu serviço e prometeu que Washington continuaria a tirar aliados afegãos do país.

“Vamos tirar você daqui”, disse Psaki depois que um repórter do Journal leu a mensagem de Mohammed ao presidente. “Honraremos o seu serviço.”

Quando o Taleban assumiu a capital, Mohammed tentou entrar no aeroporto de Cabul. As tropas americanas se recusaram a deixar sua esposa ou filhos entrarem, disse ele.

“Não posso sair de casa”, disse ele ao jornal na terça-feira. "Estou muito assustado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.