Tradutor diz ter testemunhado tortura no Afeganistão

O comando miliatar da Dinamarca informou hoje ter aberto investigações para apurar o relato de um tradutor que diz ter testemunhado tortura e morte de prisioneiros sob custódia das forças norte-americanas no Afeganistão, dois anos atrás.O intérprete trabalhou em Kandahar, principal base no sul do país, junto às forças de coalizão, americanas e dinamarquesas, e agora entrou com um ação reparatória por acreditar ter sofrido danos psicológicos. A assessoria da Defesa dinamarquesa, porém, não informou o contéudo do testemunho, que chega dias após o governo norte-americano ordenar uma revisão dos procedimentos adotados na guarda de prisioneiros afegãos.O escândalo dos abusos contra prisioneiros em Abu Ghraib, no Iraque, fartamente fotografado, chamou atenção para a possibilidade de que o mesmo tratamento tenha sido dispensado a rebeldes ou suspeitos detidos no Afeganistão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.