Spencer Platt/Getty Images/AFP
Spencer Platt/Getty Images/AFP

Tradutor faz versão 'soft' de fala agressiva de Trump contra o Irã

Criticado, Nima Chitsaz disse que não seria bom falar na TV nacional contra seu próprio país

O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2017 | 17h02

Na parte do seu discurso na ONU dedicado às críticas ao Irã, o presidente americano, Donald Trump, qualificou o país de um "estado rebelde, cujas principais exportações são a violência, o banho de sangue e o caos". Mas as palavras pareceram um pouco duras demais para o tradutor Nima Chitsaz, que resolveu dar uma amenizada na fala. Na sua versão, a mesma frase virou: "o Irã fala em destruir Israel". 

Assim, ele seguiu nos quase quatro minutos que o americano discorreu sobre a nação persa, dando sua própria tradução aos iranianos, para que eles não se assustassem com o tom agressivo de Trump. "Além do vasto poder militar dos Estados Unidos ... o povo do Irã é o que seus líderes temem mais", proferido por Trump, ganhou, para os telespectadores iranianos, a versão "o Exército dos EUA é um exército muito forte e a nação iraniana é uma nação muito forte".  

Hoje, dia seguinte ao discurso, o tradutor do canal estatal IRIB precisou se explicar. Ele disse que no "calor do momento", quis poupar seus telespectadores dos ataques verbais disparados pelo presidente dos EUA. "Achei que não seria bom da minha parte falar na TV nacional contra meu próprio país", explicou ele à TV Irinn. 

Quando o republicano, na tribuna da Assembleia-Geral, disse que "é isso que faz o regime restringir o acesso à internet, derrubar antenas parabólicas, atirar em estudantes desarmados em manifestações e prender reformadores políticos", Chitsaz traduziu como "muitos incidentes aconteceram no Irã que são inaceitáveis para nós". 

As redes sociais não perdoaram e Chitsaz foi muito criticado. Um político reformista o acusou de "censurar e distorcer" o discurso. Até mesmo a agência de notícias semi-oficial Isna disse que o episódio poderia prejudicar a confiança na mídia iraniana e recomendou aos telespectadores a usarem canais persas do exílio. 

"Você é pago para traduzir ou apenas traduz aquilo que acha ser mais apropriado?", escreveu um usuário no Twitter. "Você deveria ter traduzido os nonsense de Trump para que as pessoas pudessem julgar melhor essa pessoa estúpida", argumentou outro. 

Chitsaz respondeu dizendo que a fala original, em inglês, foi deixada alta o suficiente para as pessoas traduzissem por si mesmo. "Acho que qualquer um no meu lugar faria o mesmo", disse. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.