Tráfego aéreo europeu pode parar por 2 dias, diz agência

O tráfego aéreo na Europa pode sofrer interrupções por dois dias dependendo do comportamento da nuvem de cinzas expelidas de um vulcão na Islândia, disse hoje um porta-voz da Eurocontrol, a agência europeia intergovernamental de segurança aérea. Os voos do leste dos Estados Unidos para a Europa foram interrompidos e aeroportos na Grã-Bretanha, na Irlanda e em países nórdicos foram fechados porque as cinzas tornam as operações perigosas.

AE-AP, Agência Estado

15 de abril de 2010 | 13h34

A porta-voz da Administração Federal da Aviação (FAA, pela sigla em inglês), Laura Brown, disse hoje que as companhias aéreas estão cancelando voos para a Europa e que outros estão sendo adiados. Segundo ela, a rota da maioria dos voos da costa leste para a Europa cruza o Atlântico Norte perto da nuvem de cinzas. Ela disse que a FAA e as companhias aéreas trabalham para refazer as rotas. O trajeto entre Nova York e Londres é o segundo mais movimentado do mundo, atrás apenas do trecho entre e Hong Kong e Taiwan.

A autoridade de Aviação Civil da França informou que o principal aeroporto de Paris e mais de 20 outros no país estão fechando por causa das cinzas vulcânicas. Também foram cancelados todos os voos na Noruega e no norte da Suécia, por causa da possibilidade de as cinzas causarem danos aos motores das aeronaves. Alguns voos na Dinamarca e na Finlândia também foram afetados.

O porta-voz da British Airways, John Lampl, afirmou que vários voos da empresa partindo dos EUA com destino ao aeroporto de Heathrow tiveram de retornar quando os aeroportos de Londres foram fechados. O Serviço Nacional de Tráfego Aéreo da Grã-Bretanha informou que as operações que não forem emergenciais não poderão circular pelo espaço aéreo britânico até pelo menos a 1 hora (horário local) de amanhã.

Centenas de milhares de pessoas tiveram seus planos atrapalhados pelas nuvens de cinzas. Apenas na Irlanda, cerca de 60 mil pessoas podem ser afetadas, previu a Autoridade Aeroportuária de Dublin.

Erupção

Segundo o professor de geofísica e conselheiro da Defesa Civil, o tempo estimado para essas erupções é bem variado. "Qualquer coisa entre alguns dias até mais de um ano", previu. "Julgando pela intensidade dessa (erupção), ela pode durar um longo tempo."

A segunda erupção vulcânica da Islândia em menos de um mês ocorre sob a geleira Eyjafjallajokull, no sul do país, desde ontem. Entre 700 e 800 pessoas foram retiradas de suas casas na pouco povoada área localizada a 125 quilômetros a leste de Reykjavik, pois o gelo derretido pelo vulcão causou enchentes.

No mês passado, a primeira erupção vulcânica na geleira Eyjafjallajokull desde 1823 - e a primeira na Islândia desde 2004 - forçou a saída de 600 pessoas de suas casas na região, mas por pouco tempo. A erupção iniciada no mês passado terminou na terça-feira, após mais de três semanas de atividade vulcânica.

"O último vulcão não apresentou qualquer risco (...), mas esse entrou em erupção na principal cratera (da geleira Eyjafjallajokull) e é muito mais poderoso", contou Gudmundsson. "Está ocorrendo há mais de 24 horas e é uma erupção explosiva." Com informações da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IslândiaEuropevulcãoerupçãovoos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.