Traficantes usavam grávidas para transportar drogas na China

A polícia da China desmantelou uma rede de narcotraficantes que atuava na fronteira com o "triângulo de ouro das drogas" (Laos, Birmânia e Tailândia), que usava mulheres grávidas para transportar as cargas, informou a imprensa chinesa. A operação policial deteve 36 suspeitos e confiscou 7,2 quilos de heroína. Foram seis dias de ação, terminando com um ataque à quadrilha em Baoshan, na província de Yunnan, a 150 quilômetros da fronteira birmanesa, segundo a agência oficial de notícias Xinhua. As mulheres que transportavam a droga eram da província vizinha de Sichuan. Elas eram obrigadas a engolir um pacote de heroína antes de atravessar o posto de fronteira de Ruili. Além do risco para sua saúde, as grávidas enfrentavam viagens de ônibus de vários dias entre Sichuan e a Birmânia. O trajeto de centenas de quilômetros passa por perigosas estradas de montanha. Também eram usadas mulheres que tinham acabado de dar à luz, levando junto seus bebês, segundo o jornal South China Morning Post. A informação oficial, porém, é de que as mulheres agiram por decisão própria, sem serem forçadas e "movidas pelo alto lucro do crime". As mulheres usavam sua condição de grávidas e lactantes para não serem revistadas pela polícia. A província de Yunnan, uma das mais pobres do país, é o principal ponto de entrada de heroína na China. Além disso, é uma região com altos índices de consumo da droga e de contágio de doenças como a aids por via intravenosa.

Agencia Estado,

24 Novembro 2006 | 04h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.