Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Tráfico espalha violência a 2 dias da eleição mexicana

Prefeita sequestrada é achada morta, casa de senador é incendiada e funcionário é esfaqueado

Rodrigo Cavalheiro, enviado especial ao México,

29 de junho de 2012 | 21h06

XALAPA-ENRIQUEZ, MÉXICO - Os mexicanos escolherão neste domingo presidente e parlamentares sob a pressão de uma série de ataques do crime organizado contra alvos políticos ou eleitorais que pôs em alerta o Exército e a Marinha. Os acessos a Xalapa Enriquez, capital do Estado de Veracruz, onde as mortes ligadas ao narcotráfico cresceram 575% em um ano, amanheceram nesta sexta-feira, 29, bloqueados por policiais mascarados que revistavam cada carro.

Veja também:

link A dois dias da eleição, bomba fere 7 no México

link Candidatos mexicanos prometem respeitar resultado eleitoral

Na semana que antecedeu à votação, Veracruz – Estado dominado pelo cartel Los Zetas, e onde nove jornalistas foram assassinados em dois anos – apresentou mais um saldo macabro: uma prefeita torturada e assassinada, a casa de um senador incendiada e um funcionário da Justiça Eleitoral esfaqueado por um ladrão de cédulas eleitorais.

Plantadores de abacaxi encontraram o corpo de Marisol Mora Cuevas, do Partido Ação Nacional (PAN), na quinta-feira em uma lavoura. A prefeita de Tlacojalpan, cidade de 5 mil habitantes, tinha mãos e pés amarrados e sinais de tortura. Marisol foi sequestrada na tarde de domingo em casa, diante da família, por um grupo armado, uma semana antes da escolha de seu sucessor.

O PAN é o partido do presidente Felipe Calderón, que lançou em 2006 uma ofensiva contra cartéis que já provocou 47.500 mortes. Durante a campanha eleitoral, Los Zetas enviaram mensagem à candidata do partido à presidência, Josefina Vásquez. O bilhete dizia que ela "não era bem-vinda" no Estado de Tamaulipas, vizinho a Veracruz, no leste do México. Na sexta, um carro-bomba explodiu diante do governo municipal de Nuevo Laredo, em Tamaulipas.

"Em Veracruz e Tamaulipas, os ataques decorrem da ruptura entre Los Zetas e o Cartel do Golfo. Ela ocorreu em 2010, mas a busca por notoriedade tem aumentado nesses lugares até hoje, ao contrário de Ciudad Juárez e Tijuana, onde houve um decréscimo", afirma o especialista em violência Eduardo Guerrero.

Um dos sintomas da debilidade institucional em Estados como Veracruz é a pressão dos cartéis pelo controle não só de território, mas também da informação. Jornalistas foram executados aqui como em nenhum outro lugar do México. Em dois anos, foram assassinados Víctor Báez, Regina Martínez, Guillermo Luna, Gabriel Huge, Esteban Rodríguez, Yolanda Ordaz de la Cruz, Misael López Solana, Miguel Ángel López Velasco e Noel López Olguín.

Os números de Veracruz incluem ainda três jornalistas desaparecidos e dez que se mudaram para outras regiões do país, segundo a ONG mexicana Fundação pela Liberdade de Expressão. Os seguintes no ranking de execuções de jornalistas são Tamaulipas (14), Chihuahua (13) e Guerrero (10). "Os jornalistas recebem ameaças para publicar ou deixar de publicar sobre certos crimes, segundo o interesse dos cartéis. Em alguns casos, o cartel tem interesse em visibilidade. Em outros, não", diz Renato Consuegra, um dos diretores da ONG.

Segundo Consuegra, ameaças dos cartéis diminuem o espaço na imprensa para notícias policiais, principalmente se os alvos são políticos. Os jornais de Veracruz deram pouco destaque ao incêndio na casa do senador Enrique Romero Aquino, do Partido Revolução Democrática (PRD), na quarta-feira, e ao ataque a um funcionário eleitoral que guardava 1,2 mil cédulas eleitorais. O homem foi esfaqueado.

Cédulas roubadas são usadas em um sistema de compra de voto conhecido como "carrossel". Nele, o eleitor entra com uma cédula desviada já preenchida e, na saída, entrega ao chamado "mapache" (comprador do voto) o papel recebido na cabine de votação. Uma espécie de versão digital do golpe dispensa o roubo. Na cabine fechada, o eleitor fotografa com um celular seu voto. Ao sair, mostra a imagem como prova de que escolheu o partido combinado. Leva entre 500 e 1.000 pesos (R$ 75 a R$ 150).

"Esperamos que a eleição ajude a mudar todo este sistema corrupto", diz o caminhoneiro Faustino Hernández, de 64 anos. Ele era um dos motoristas parados na entrada de Xalapa ontem. "Piorou muito nos últimos oito anos. Em um caso houve mais de 40 corpos esquartejados, outros foram derretidos com ácido. Quando chego em um bloqueio policial como esse, não tiro nenhuma das mãos do volante, para não correr o risco de levar um tiro. Não tenho como saber se o policial é limpo ou não pelo uniforme", desabafa.  

Mais conteúdo sobre:
eleições no Méxicoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.