Tráfico usa ícone da Marinha espanhola

Três marinheiros recebem cocaína na Colômbia e são presos na Espanha após denúncia dos EUA

O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2014 | 02h04

A Guarda Civil da Espanha informou ontem ter apreendido 127 quilos de cocaína no navio da Marinha espanhola Juan Sebastián de Elcano. A carga foi colocada na embarcação após uma parada na Colômbia. A droga estava escondida na despensa do navio, em um local de difícil acesso onde ficam as velas de reserva.

A cocaína pôde ser encontrada após a prisão de três marinheiros, dois espanhóis e um equatoriano, acusados de tráfico de drogas no dia 12, data em que o navio retornou para a Espanha depois de 149 dias no mar. As autoridades investigam agora se o caso foi isolado ou o transporte era habitual. Os três presos haviam recebido a droga em Cartagena e entregaram ao menos 20 quilos em Nova York, em outra parada da embarcação, que passa a maior parte do ano viajando.

Segundo a Guarda Civil, autoridades dos EUA prenderam traficantes que receberam a cocaína e informaram a polícia espanhola. O aviso ampliou o controle de entrada e saída de barcos e impediu que os marinheiros entregassem a droga em outras paradas, como era previsto. Policiais espanhóis prenderam os três suspeitos assim que eles desembarcaram na Espanha, em julho, e a apreensão dos 127 quilos de cocaína foi feita no sábado, após uma busca na embarcação.

Os três marinheiros estão em uma prisão militar perto de Madri. Eles são acusados de "embarcar substâncias tóxicas", crime que pode ser punido com pena de 6 meses a 6 anos de prisão.

O navio é um orgulho da Marinha espanhola. Foi lançado em 1927 e desde então é usado na capacitação de alunos da Marinha inscritos na Academia Naval. A embarcação tem 113 metros de comprimento e comporta quase 200 pessoas. Cada viagem do navio dura cerca de seis meses. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.