Marlon Tano/AFP
Marlon Tano/AFP

Trajetória incerta do tufão Hagupit deixa Filipinas em alerta

Furacão deve chegar à região central na noite deste sábado, passando pelas regiões atingidas pelo Haiyan em 2013

Estadão Conteúdo

05 de dezembro de 2014 | 09h56

O forte furacão Hagupit se aproximava das Filipinas nesta sexta-feira, mas previsões distintas a respeito de sua trajetória fizeram com que um trecho maior do país se preparasse para um final de semana com chuvas e ventos destruidores.

A expectativa é que o furacão chegue à região central das Filipinas na noite de sábado, atingindo partes da região que foi devastada pelo Haiyan no ano passado, quando deixou mais de 7.300 mortas ou desaparecidas. Apesar disso, a boa notícia é que o tufão está perdendo força na medida em que se aproxima da costa.

Modelos de computador de duas agências que acompanham de perto o tufão - o Centro Conjunto de Advertência para Tufões do Exército norte-americano, localizado no Havaí, e a agência meteorológica das Filipinas - mostram caminhos diferentes para o Hagupit.

A agência dos Estados Unidos diz que o tufão pode seguir para o norte depois de atingir o solo e passar pelo sul da capital Manila, cidade com mais de 12 milhões de habitantes. Já a agência filipina, conhecida pelo acrônimo PAGASA, projeta um caminho mais ao sul.

As duas agências afirmam também que Haguipt está lentamente perdendo força. Segundo a PAGASA, ele tem agora ventos sustentados de 195 quilômetros por hora e rajadas de 230 quilômetros por hora. O centro norte-americano diz que não se trata mais de um supertufão e que o Hagupit deve continuar a perder força e seus ventos devem ser de 175 quilômetros por hora na manhã de domingo.

"Embora haja informações que de o tufão esteja perdendo força, não significa que nossa prontidão também tenha se enfraquecido", disse Alexander Pama, que dirige a agência de respostas a desastres do país.

Depois da destruição causada pelo Haiyan, que pegou a população despreparada para lidar com a força do tufão, as autoridades de moradores parecem mais preparados desta vez para responder à crise iminente. Dezenas de voos domésticos foram cancelados e serviços de balsa entre as ilhas foram suspensos.

Em Tacloban, cidade onde o Haiyan deixou milhares de mortos e destruiu vilas inteiras, e em províncias próximas, dezenas de milhares de moradores foram retirados de áreas de alto risco e levados para abrigos. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.