Trajetória marcada por filhos ilegítimos

No início de 2005, o bispo Fernando Lugo, defensor da Teologia da Libertação, renunciou à Arquidiocese do Departamento de San Pedro e lançou-se na política. Caçula de sete irmãos, todos de família muito pobre, ele venceu a disputa presidencial de 2008 e acabou com 60 anos de domínio político do Partido Colorado com a promessa de lutar contra as desigualdades, principalmente no campo. Seu governo conseguiu triplicar o valor pago pelo Brasil pela energia excedente da Hidrelétrica de Itaipu, mas foi marcado também por denúncias de paternidade. Até hoje, quatro mulheres asseguram que tiveram filhos com o presidente paraguaio. Lugo reconheceu dois - as outras duas ainda travam uma batalha judicial em busca de exames de DNA. Os filhos ilegítimos fizeram sua popularidade cair de 93%, no momento da posse, para 30%, em 2009. Em agosto de 2010, ele foi diagnosticado com um câncer linfático e passou por seis sessões de quimioterapia em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.