Traqueia sintética é transplantada em paciente na Suécia

Um homem de 36 anos que teve câncer na traqueia recebeu um novo órgão produzido sinteticamente em laboratório, que foi coberto com células-tronco do próprio paciente, anunciaram hoje os médicos responsáveis pela cirurgia. O procedimento, realizado na Suécia, é considerado o primeiro do tipo no mundo.

AE, Agência Estado

07 de julho de 2011 | 18h16

O hospital da Universidade Karolinska, em Estocolmo, disse que a cirurgia foi realizada em 9 de junho e que o paciente está a caminho da "recuperação completa". Ele receberá alta amanhã. Segundo o hospital, o paciente, cujo câncer havia quase que completamente bloqueado sua traqueia, não tinha outra opção, já que não foi encontrado um doador compatível.

O professor Paolo Macchiarini, que já participou de outros transplantes de traqueia, disse que a cirurgia no hospital Karolinska envolveu a "primeira traqueia de tecido sintético transplantada com sucesso". Para realizar a cirurgia, um grupo internacional liderado por ele construiu uma armação e um biorreator para gerar o órgão com células-tronco do paciente.

Novas células para cobrir a traqueia desenvolveram-se na estrutura por dois dias antes de o órgão ser transplantado. "Como as células usadas para regenerar a traqueia eram do próprio paciente não houve rejeição ao transplante e o paciente não está tomando drogas contra a rejeição", informou o hospital em comunicado.

Especialistas dizem que estruturas sintéticas podem ser usadas na produção de órgãos simples como traqueia, esôfago ou bexiga, mas ainda serão necessários anos até que os cientistas consigam criar órgãos mais complicados como rins e coração em laboratório.

O polímero plástico usado para fabricar a traqueia artificial foi previamente usado na construção de canais lacrimais e vasos sanguíneos. O material tem uma superfície esponjosa para acelerar o crescimento das células. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.