Tratado da UE até 2009 é inatingível, diz Polônia

A Polônia prometeu neste domingo, 25, ser um duro negociador em qualquer tratado para substituir a constituição da União Européia que foi rejeitada e disse que o plano de fazer um novo texto até meados de 2009 parece inatingível. O presidente polonês, Lech Kaczynski, disse que seu governo, visto por muitos como cético em relação à UE, pode concordar com um texto de tratado antes desta data, para que entre em vigência em 2011, mas somente se a atual proposta de constituição passar por mudanças significativas. Em declarações feitas a líderes durante celebração do 50o aniversário da UE, Kaczynski disse que ele e outros diversos governos acreditam que a promessa da Declaração de Berlim de situar a UE em uma "base comum renovada" até 2009 significa que uma nova proposta de tratado pode ser feita até a data prevista, mas que a ratificação levará mais tempo. "O objetivo pode ser bonito, mas me parece inatingível", afirmou em entrevista coletiva, colocando-se em conflito com a Alemanha, atual presidente da UE, que tenta avançar a adoção de uma nova proposta até o final de 2007. O novo tratado substituirá a constituição rejeitada pela Holanda e pela França em referendos em 2005. O texto teria simplificado as instituições e o processo de decisões para facilitar a expansão do bloco. "O conceito de concordar com o texto do tratado antes do final deste ano é um conceito de mudar apenas vírgulas (na proposta de constituição). Obviamente não pode haver acordo nisso", disse Kaczynski.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.