Tratato nuclear entre Rússia e EUA ficará para 2010

Um importante assessor do presidente da Rússia disse que o acordo com os Estados Unidos para redução do arsenal de armas nucleares dos dois países só será concluído em 2010. A informação foi publicada hoje, por três agências russas de notícias, e contraria as expectativas do presidente dos EUA, Barack Obama. Mais cedo, ele disse que o acordo poderia sair ainda hoje.

AE-AP, Agencia Estado

18 de dezembro de 2009 | 18h57

Segundo o assessor da presidência russa, Sergei Prikhodko, nenhuma nova data será marcada para não despertar mais pressão sobre os diplomatas que negociam em Genebra, publicaram as agências. Funcionários norte-americanos, falando sob anonimato, também confirmaram que os diplomatas planejam fazer uma pausa no Natal e Ano Novo, e só retornam às negociações no começo de 2010.

A informação também contraria as expectativas do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Andrei Nesterenko. Ele afirmou hoje, em comunicado, que os dois países alcançariam um acordo em poucas horas. "Nós esperamos que todas as questões que restaram sejam resolvidas em breve, talvez mesmo nas próximas horas", ele disse.

Os dois países buscam fechar um pacto que suceda o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start I, na sigla em inglês), acordo de 1991 que expirou em 5 de dezembro deste ano. Numa cúpula em Moscou em julho, Obama e Medvedev concordaram em cortar o número de ogivas nucleares dos arsenais dos dois países, para um total entre 1.500 e 1.675, num prazo de sete anos.

Assinado em 1991 pelos então presidentes dos EUA, George Herbert W. Bush, e da União Soviética, Mikhail Gorbachev, o tratado Start I determinou que cada país precisava cortar em um quarto seus arsenais nucleares, que na época somavam cerca de 6 mil ogivas cada um. O Start I também implementou sistemas para verificar e auditar os cortes nos arsenais.

Com informações da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUAacordoarmas nucleares

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.