Travesti ganha status de homem e de mulher no Nepal

Um travesti ganhou nesta semana cidadania como homem e como mulher no Nepal. A decisão, sem precedentes, beneficiou Chanda Musalman, de 40 anos. O Nepal, considerado um país conservador e religioso, tem, como muitos países asiáticos, uma grande comunidade de homens que se vestem e se comportam como mulheres.Ainda não está claro como esse status legal funcionará na prática. Não se sabe, por exemplo, quais direitos Chanda terá em relação ao casamento.Constituição Com as eleições se aproximando, representantes do governo estão percorrendo o país emitindo certificados de cidadania. Um desses grupos foi ao vilarejo onde Chanda mora, no oeste do Nepal. Chanda, que não passou por cirurgia para mudar de sexo, pediu para que as autoridades removessem as palavras ´masculino´ e ´feminino´ que aparecem na categoria ´sexo´. O pedido foi atendido e a palavra ´ambos´ foi escrita. Um grupo de direitos humanos, Blue Diamond Society (ou, Sociedade do Diamante Azul), agradeceu ao governo pela decisão, que considerou uma vitória para as minorias sexuais.No passado, o grupo acusou a polícia de maltratar transexuais e travestis nas ruas de Kathmandu. Agora, o grupo quer que as minorias sexuais tenham seus direitos expressamente protegidos pela nova Constituição, que deverá ser escrita depois das eleições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.