Tremor de 7,8 graus mata quatro crianças na China

Duas escolas caíram por causa do tremor, um dos mais fortes sofridos pelo país asiático em 30 anos

Efe,

12 de maio de 2008 | 05h51

Um terremoto de cerca de 7,8 graus na escala aberta de Richter sacudiu o sudoeste da China às 14 horas (3 horas de Brasília GMT). Quatro crianças da cidade chinesa de Chongqing morreram e mais de uma centena ficaram feridas após duas escolas caírem por causa do tremor, informou a agência estatal Xinhua.   Pelo menos duas escolas primárias na localidade, no distrito de Liangping, caíram em conseqüência do terremoto, um dos mais fortes sofridos pelo país asiático em 30 anos.   Chongqing se encontra a cerca de 300 quilômetros do epicentro do terremoto localizado em Wenchuan, no noroeste da província de Sichuan, zona onde fica a reserva natural de Wolong (Patrimônio Mundial da Unesco) e regiões habitadas pela etnia tibetana.   Wenchuan, a 92 quilômetros ao noroeste da capital, é habitada por cerca de 111.800 pessoas, em sua maioria tibetanos, e em março foi um dos lugares de protestos contra o Governo chinês.   Alguns habitantes da capital chinesa saíram de suas casas alarmados com o tremor, sentido nos prédios mais altos. Trabalhadores de escritórios em Pequim retornaram a suas casas por temer novos tremores.   Em Xangai, a torre Jingmao, o arranha-céu mais alto da China e outros prédios foram desocupados, segundo a imprensa chinesa.   "Notamos um forte movimento, nunca vivemos algo assim em Chengdu. A luz acabou", afirmou por telefone à Efe uma porta-voz do Prefeitura dessa cidade, com 10 milhões de habitantes.   Outras cidades da Ásia como Bangcoc, Hanói e Taipé notaram o tremor, e a agência oficial Xinhua disse que seus repórteres em Zhengzhou, Chengdu e Chongqing (centro do país) também notaram o tremor.   A província de Sichuan é uma das mais densamente povoadas do país, com cerca de 100 milhões de habitantes.   Em 1933, um terremoto nessa mesma zona, de 7,5 graus, causou 9.000 mortos.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaterremototremor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.