Tremor do ano passado matou 5.335 alunos, diz China

Quase um ano depois de terremoto de Sichuan ter destruído centenas de escolas, a China divulgou hoje que 5.335 estudantes morreram ou desapareceram em decorrência do tremor. O governo começou sua contagem horas depois de o terremoto de 7,9 graus na escala Richter ter arrasado partes da província do sudoeste do país em 12 de maio de 2008, mas recusava-se, até agora, a dizer quantos estudantes estavam entre as quase 90 mil pessoas mortas ou desaparecidas. Cerca de 5 milhões de pessoas ficaram sem casa.

AE-AP, Agencia Estado

07 de maio de 2009 | 11h46

Milhares de salas de aula ruíram enquanto prédios ao redor delas permaneceram intactos. Pais de alunos dizem que as escolas ruíram tão facilmente por causa da corrupção e da administração incompetente, que resultaram em construções mal feitas e prédios que não seguiam o padrão de qualidade. Alguns dizem que os materiais que seriam usados na construção de escolas foram vendidos pelos empreiteiros, que lucraram com a operação.

Até agora, ninguém foi responsabilizado ou punido. O governo, porém, diz que a força do terremoto foi a principal causa da destruição das escolas e que listar e confirmar os nomes dos estudantes é um processo complicado. "De acordo com nossas investigações e amostras que colhemos, não encontramos nenhum caso de prédios que ruíram na zona do terremoto por causa da qualidade da construção", disse Yang Hongbo, chefe do departamento de construção de Sichuan, citado pelo site do governo provincial.

Tu Wentao, chefe do departamento de educação da província, anunciou o número de estudantes mortos ou desaparecidos durante uma coletiva de imprensa na capital da província de Chengdu. Eles informou também que 546 crianças ficaram com problemas de deficiência física em razão dos ferimentos sofridos após o terremoto.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaterremotoestudantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.