LOUISA GOULIAMAKI/AFP
LOUISA GOULIAMAKI/AFP

Tremores secundários sacodem Ilha de Kos, na Grécia

Abalos foram registrados um dia após forte terremoto deixar dois mortos e vários feridos

O Estado de S.Paulo

22 Julho 2017 | 17h45

KOS - A Grécia sofreu uma série de tremores secundários neste sábado, 22, após um terremoto de 6,7 graus de magnitude chacoalhar as ilhas gregas na madrugada de sexta-feira, 21. Às 14h09, horário de de Brasília, foi registrado um tremor de 4,4 graus, fazendo com que moradores de Kos corressem para a praça principal da cidade, ficando o mais longe possível de edifícios. Cerca de 16 minutos depois, foi sentido um segundo tremor de 4,6 graus.

O abalo da madrugada de sexta-feira, 21, deixou 2 mortos e cerca de 100 feridos. De sexta para sábado, centenas de moradores e turistas dormiram ao ar livre, receosos de retornar para suas casas ou hotéis depois do terremoto. Muitos acamparam em parques e dormiram dentro de carros ou em cadeiras de praia.

Para John Grant, um turista britânico de 60 anos, dormir ao ar livre o fez sentir-se mais seguro. "Vindo de um lugar que não tem terremotos, você não entende. Então, para mim, era muito assustador estar dentro de um prédio. Ficando do lado de fora, sei que estou seguro", disse.

Durante o dia, igrejas, uma mesquita, um castelo do século 14 e outras edificações antigas foram avaliadas por arqueólogos e especialistas do Ministério da Cultura da Grécia. O terremoto deixou dois mortos - um turco e um sueco - e centenas de feridos.

O imã de Kos, Serif Damadoglou Soukri, disse que o principal dano foi na mesquita Defternatar Ibrahim Pasa, construção do século 17. O minarete da mesquita, restaurado há alguns anos, desmoronou completamente.

Já o padre grego-ortodoxo Vassilis Hlampanis, disse que uma das igrejas danificadas poderá ser consertada. "O maior dano foi no santuário, na parte central, mas há também algumas seções avariadas na fachada", afirmou. /AP

Mais conteúdo sobre:
Grécia terremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.