Trens e refinarias não funcionam em mais um dia de protestos na França

Postos de gasolina começam a sentir os efeitos da escassez da falta de combustível

Efe

18 de outubro de 2010 | 05h54

Operários bloqueiam entrada de refinaria no leste de Paris.

 

PARIS - O tráfego ferroviário na França está afetado na segunda-feira, 18, pela anulação de aproximadamente a metade dos trens previstos, enquanto as refinarias continuam bloqueadas pelo movimento de protesto contra a reforma da previdência.

 

Veja também:

linkFrança recorre a reservas para não ficar sem combustível

Os movimentos sindicais de bloqueio das refinarias, que começaram na sexta-feira passada, continuaram hoje apesar das advertências do governo que as abrirão, embora seja pela força. As dez centrais do país continuam com problemas enquanto um bom número de postos de gasolina começam a sentir os efeitos da escassez de combustível.

O primeiro-ministro, François Fillon, advertiu ontem à noite que não aceitaria a paralisia do país com movimentos sindicais. Enquanto isso, os ferroviários continuaram com as interrupções que obrigaram à empresa nacional de trens a suspender a metade dos previstos para segunda-feira.

As interrupções afetam de forma desigual os trens internacionais, informou a empresa. Os transportes públicos de Paris, no entanto, funcionam com normalidade com exceção de uma linha para bairros.

Aos protestos se somaram os caminhoneiros, que multiplicam as ações de bloqueio da circulação ao longo de todo o país, o que está causando vários engarrafamentos em pontos estratégicos.

Tudo o que sabemos sobre:
Françatrensrefinariasprotestosgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.