Três americanos são condenados por terrorismo no Vietnã

Sete pessoas, entre elas três americanos, foram condenados por um tribunal vietnamita por terrorismo nesta sexta-feira, acusados de tentar interferir nas ondas de rádio e fomentar um levante contra o governo comunista. Um juiz sentenciou os sete a 15 meses de prisão, com possibilidade de redução da pena. Espera-se que todos sejam postos em liberdade em um mês, com os americanos tendo que deixar o país em até dez dias após a libertação. Os acusados, todos de origem vietnamita, ficaram presos sem acusações por mais de um ano, o que fez com que Washington pressionasse Hanói para uma ação mais rápida. O presidente americano, George W. Bush, e a secretária de Estado, Condoleezza Rice, planejam viajar ao Vietnã na próxima semana para a Cúpula de Cooperação Econômica das 21 nações da Ásia e do Pacífico. Ambos os países queriam resolver essa questão antes do início do maior evento já sediado no Vietnã. A punição poderia ir de 12 anos na prisão até a execução, mas os promotores pediram por penas mais brandas, dizendo que os acusados haviam se arrependido e não tinham registros criminais. Não é comum a aplicação de penas brandas para crimes de segurança nacional, mas a rápida resolução de um julgamento diplomaticamente sensível poderia fazer com que o foco no Vietnã voltasse para a Cúpula e para a entrada do Vietnã na Organização Mundial do Comércio, que foi aprovada nesta semana. Os sete foram acusados de complô para contrabandear equipamentos de rádio no Vietnã para a transmissão de chamados por uma revolução para derrubar o governo. Uma investigação aponta que o esquema foi financiado pelo Governo do Vietnã Livre, uma organização sediada na Califórnia, que o governo vietnamita considera como um grupo terrorista. Esse é um dos muitos grupos anti-comunistas fundado por vietnamitas que se refugiaram nos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.