Três crianças mortas em caso de roubo de feto

Três crianças foram encontradas mortas horas depois de uma mulher ter sido acusada de matar-lhes a mãe, grávida de um quarto filho, e o feto que carregava no ventre. Os dois meninos, de 7 e 2 anos, e a irmã de 1 ano forma encontrados juntos no sábado, no apartamento onde a mãe vivia, de acordo com o capitão de polícia Craig Koehler. As crianças haviam sido vistas pela última vez na segunda-feira com a amiga da família Tiffany hall, de 24 anos, agora acusada de homicídio na morte da mãe dos três. Acredita-se que a mulher tenha sido assassinada antes de as crianças desaparecerem. Hall também é acusada da morte intencional de uma criança ainda não-nascida, de acordo com o promotor Robert Haida. A polícia não informa se Hall será acusada formalmente pela morte das três crianças.O corpo da mãe, Jimella Tunstall, de 23 anos, havia sido encontrado na quinta-feira, num terreno baldio. Autoridades acreditam que o útero da vítima foi aberto depois de ela ter sido nocauteada. Uma autópsia revelou que Jimella, que estava grávida de sete meses, sangrou até a morte por uma ferida no abdome, causada por um objeto que, acredita-se, foi uma tesoura, diz o legista Ace Hart.Parentes dizem que Tunstall cresceu com Hall, e deixava a amiga cuidar das crianças.Autoridades suspeitam que Tunstall foi morta por volta de 15 de setembro, dizem autoridades. Nesse dia, Hall chamou a polícia para dizer que tinha dado à luz um natimorto, de acordo com o legista. Hall e o feto foram levados a um hospital, onde a mulher não se deixou examinar e deu explicações conflitantes para o parto que alegava ter tido - dizendo às vezes ter feito sexo com um namorado e outras, que havia sido estuprada. Hall já tinha dois filhos.Autoridades dizem que Hall confessou ao namorado, durante o funeral do bebê, que a criança não era dele, e que ela havia matado a mãe verdadeira para consegui-lo. O namorado avisou a polícia. A polícia aguarda testes de DNA para confirmar se o feto morto era realmente filho de Tunstall.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.