Três dias de combates no Paquistão matam 195 pessoas

São 150 combatentes pró-talebans e 45 membros das forças de segurança

Efe,

09 de outubro de 2007 | 04h29

Pelo menos 150 combatentes pró-talebans e 45 membros das forças de segurança morreram em três dias de combates no cinturão tribal do Paquistão, perto da fronteira com o Afeganistão, informou nesta terça-feira, 9, o porta-voz do Exército paquistanês, Waheed Arshad. Os confrontos começaram no sábado no distrito de Miran Shah, na conflituosa região de Waziristão do Norte, quando um grupo de milicianos atacou um comboio militar na região de Mirali, onde o Exército paquistanês perdeu dez homens. Posteriormente as tropas governamentais lançaram uma operação contra os fundamentalistas. Até o momento, há 150 mortos e 50 feridos entre os supostos pró-talebans e 45 mortos e 20 feridos entre as forças de segurança, segundo Arshad. O porta-voz militar informou que foi possível fazer contato com a maioria dos 50 soldados que na segunda-feira tinham sido dados por desaparecidos em Mirali e disse que eles estão bem. Treze deles continuam desaparecidos. As Forças Armadas paquistanesas prosseguirão com a operação lançada na zona e rejeitam a possibilidade de uma trégua proposta por alguns líderes tribais. O porta-voz militar disse não saber de outros danos, depois de vários líderes locais denunciaram que os combates do domingo tinham causado a morte de dezenas de civis no distrito de Miran Shah.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.