Três egípcios morrem de gripe aviária, elevando total no país a seis

Três pessoas morreram devido ao vírus H5N1 da gripe aviária no Egito na última semana, elevando o total de mortos no país este ano para seis, informou o Ministério da Saúde nesta segunda-feira.

REUTERS

01 de dezembro de 2014 | 15h44

O Egito identificou 11 casos do vírus em pessoas neste ano, incluindo as seis que morreram, de acordo com comunicado do ministério.

O órgão identificou as vítimas mais recentes como um homem de 40 anos e uma mulher de 29 da província de Minya, e um homem de 25 anos de Beni Suef, sul do Cairo.

Uma criança de dois anos em Minya que foi hospitalizada recentemente devido ao vírus se recuperou, segundo o ministério.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), de 2003 até 2 de outubro de 2014 houve 668 casos humanos de infecção confirmada em laboratório de H5N1 em 16 países. Desses casos, 393 pessoas morreram.

A OMS alerta que sempre que o vírus da gripe aviária estiver circulando em aves há um risco de infecção esporádica ou em pequenos grupos de humanos - especialmente em pessoas expostas a aves ou ambientes contaminados.

Os casos humanos de H5N1 são raros, no entanto, e o vírus não parece ser transmitido facilmente entre pessoas.

(Reportagem de Omar Fahmy e Shadi Bushra)

Mais conteúdo sobre:
EGITOGRIPEAVIARIAMORTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.