Três ex-colaboradores de Saddam depõem um a um

Três dos sete colaboradores de Saddam Hussein que estão sendo julgados junto com o ex-ditador iraquiano prestaram depoimento pela primeira vez, neste domingo, 12, e negaram sua participação nas prisões e assassinatos de 148 xiitas na década de 80. Os três, Mizhar Abullah Ruwayyid; seu pai, Abdullah Ruwayyid; e Ali Daih Ali - antigos oficiais do governo de Saddam pelo Partido Baath - apresentaram-se um a um e foram diretamente interrogados pelo presidente do tribunal e por promotores sobre o ataque ao povoado xiita de Dujail, onde ocorreram os assassinatos, após uma tentativa de atentado a Saddam, em 1982. O testemunho dos assessores de Saddam representa uma nova fase do processo. Desde que começaram as audiências, em 19 de outubro do ano passado, a promotoria tem apresentado provas que demonstram o papel dos acusados na repressão. Os acusados têm falado com freqüência, mas esta é a primeira vez que testemunham oficialmente. Após quatro horas de depoimentos, o juiz Raouf Abdel-Rahman suspendeu o julgamento até amanhã. Esperava-se que Saddam fosse testemunhar após seus ex-assessores, o que leva a crer na possibilidade de o ex-ditador falar amanhã, 13. A audiência de hoje foi a primeira desde 1.º março, quando Saddam assumiu energicamente para a corte que era responsável por ter mandado a julgamento 148 xiitas que, depois, foram condenados à morte. Mas ele insistiu que as ações dele não eram um crime, pois o xiitas era suspeitos de terem participado do atentado contra ele. Saddam e sete de seus dos antigos membros de seu regime estão sendo julgados por estas 148 mortes, bem como por cárcere privado e tortura de moradores de Dujail. Eles podem ser sentenciados à morte por enforcamento se forem condenados.

Agencia Estado,

12 Março 2006 | 12h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.