Três homens presos sob acusação de terrorismo em Michigan

Três homens foram presos sob a acusação de ligações com grupos terroristas depois que compraram 80 celulares pré-pagos em uma loja do Wal-Mart em Michigan, nos Estados Unidos, declarou a polícia do país.O trio, proveniente da região de Dallas, é acusado de adquirir materiais que apóiam causas terroristas e de obter informações de uma fonte vulnerável com o objetivo de realizar atos terroristas, informou o policial Dale Stevenson na sexta-feira. Os acusados estão em uma prisão no município de Tuscola e devem ser julgados neste sábado. Stevenson se recusou a revelar porque o caso está relacionado com terrorismo. Sabe-se que o FBI ajuda nas investigações. O policial só contou que os homens, de 18, 22 e 23 anos, foram a uma loja 24 horas do Wal-Mart na manhã de sexta-feira e compraram os telefones celulares, ignorando a limitação imposta aos consumidores, que hoje podem adquirir no máximo três celulares de uma só vez. Um funcionário do Wal-Mart achou os homens suspeitos e alertou a polícia. "Eles compareceram a uma dessas lojas (da rede Wal-Mart), de manhã, esperando encontrar um balconista inexperiente", disse Stevenson.Policiais pararam a van do trio à 1h30 e encontraram cerca de mil telefones, a maioria TracFones, um computador laptop e uma mala cheia de recibos, contou Stevenson. "Os celulares podem ser usados como explosivos. Obviamente não nos deparamos com uma situação normal", disse o policial de Caro, Ben Page. Os homens alegarem que compraram 80 celulares que custaram US$ 20 cada um, com carregador, porque pretendiam revendê-los por cerca de US$ 38 cada, sem o utensílio. Além disso, foram encontrados no carro arquivos com informações sobre vôos e aeroportos.A prisão em Caro acontece três dias depois da detenção de dois homens em Marietta, Ohio, presos por terem adquirido 600 telefones nos últimos meses. Investigadores encontraram, no carro de Ali Houssaiky e Osama Abulhassan, ambos de 20 anos, e de Dearborn, arquivos com informações sobre vôos e aeroportos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.