Três jovens são mortos em tumulto em Birmingham

A polícia da cidade britânica de Birmingham começou nesta quarta-feira uma investigação de homicídio após as mortes de três jovens, atropelados na madrugada de hoje, quando um automóvel avançou contra os três durante os motins que se espalharam de Londres para outras cidades inglesas. A polícia de West Midlands, que supervisiona a ordem em Birmingham, deteve um suspeito de 32 anos que seria o atropelador e recuperou o carro usado por ele, o qual está na perícia. Os jovens mortos, todos de origem sul-asiática, tinham entre 20 e 30 anos. Segundo as famílias e amigos, eles estavam na rua para proteger suas casas de saqueadores.

AE, Agência Estado

10 de agosto de 2011 | 15h47

Com a morte dos três jovens sobe para quatro o número de mortos nos tumultos que tomaram conta da Inglaterra nesta semana. Um homem de 32 anos morreu ontem em Londres, após ter sido baleado na segunda-feira em um automóvel durante um protesto em Croydon, na zona sul da capital britânica.

Um dos mortos hoje em Birmingham foi um mecânico de 21 anos, Haroon Jahan. Ele estava na rua com amigos para proteger as casas de saqueadores, disse o pai do jovem atropelado, Tariq Jahan.

"O cara que matou ele jogou o carro em cima da multidão e assassinou três jovens inocentes", disse Jahan, que assistiu ao atropelamento. A violência aconteceu à 1h da madrugada no bairro de Wilson Hill em Birmingham, informa o Wall Street Journal. Jahan afirma que correu para o local do atropelamento e ajudou a socorrer um dos três jovens, até que percebeu que seu filho estava entre as vítimas. Com as mãos e o rosto cobertos de sangue, ele tentou reanimar o filho com massagem cardíaca, mas o esforço foi em vão. "Todo mundo amava ele na comunidade. Todo mundo conhecia Haroon". A polícia de Birmingham disse que além de Haroon dois outros jovens, ambos com 30 anos, foram mortos no atropelamento.

Embora a polícia tenha alertado muitos moradores a ficarem em casa enquanto durarem os motins que tomaram conta da Inglaterra desde sábado, muitos preferiram ir às ruas para defender suas casas e lojas, em parte porque acreditam que a polícia é incapaz de defendê-los dos saqueadores.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.