Hani Mohammed/AP
Hani Mohammed/AP

Três manifestantes são mortos no Iêmen, dizem médicos

Vítimas protestavam contra acordo para transferência do poder que concede imunidade judicial a Saleh

AE, Agência Estado

24 de novembro de 2011 | 08h24

SANAA - Partidários do presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, mataram a tiros três pessoas nesta quinta-feira, 24, em Sanaa, disseram médicos. As vítimas estavam protestando contra um acordo para a transferência do poder que concede imunidade judicial a Saleh.

 

 

Veja também:

linkSaleh assina acordo para transferir poder no Iêmen

especialINFOGRÁFICO: A revolta que abalou o Oriente Médio

"Três pessoas foram mortas por balas de verdade, com várias outras feridas", afirmou um médico em um hospital de campo montado pelos manifestantes em uma praça da capital, onde eles estão acampados desde fevereiro.

Na quarta-feira, Saleh assinou um acordo para deixar o poder, após 33 anos. Porém o acordo prevê imunidade judicial para Saleh e não o deixa claramente banido da vida política, gerando o temor que o documento ainda possa causar distúrbios no Iêmen.

Saleh se aferrava ao poder, mesmo com quase 10 meses de protestos nas ruas contra seu regime. Centenas de pessoas foram mortas pelas forças de segurança. Saleh chegou a ser gravemente ferido em um ataque à mesquita do palácio presidencial e foi para a Arábia Saudita receber tratamento. Ele assinou o acordo para deixar o poder em Riad, após muitos de seus aliados o abandonarem e passarem à oposição.

A transferência do poder será seguida por eleições presidenciais dentro de 90 dias. Um governo de união nacional deve monitorar um período de dois anos de transição.

 

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmenpolíticaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.