Três mil pessoas presas após ataques no Quênia

Autoridades do Quênia disseram que ao menos três mil pessoas foram presas nos últimos quatro dias em operações de segurança depois de uma onda de ataques terroristas no país.

AE, Agência Estado

08 de abril de 2014 | 15h29

O porta-voz da polícia Masoud Mwinyi disse nesta terça-feira que a maioria dos detidos foram interrogados por agentes de segurança e em seguida liberados. Porém, 447 pessoas ainda são mantidas sob custódia sob a acusação da lei antiterrorismo, que permite que a polícia mantenha presos suspeitos por mais de 24 horas.

Ativistas de direitos humanos criticaram a operação, dizendo apenas somalis foram alvo das forças de segurança. Os grupos também estão preocupados com o tratamento dos suspeitos pelos policiais.

O Quênia sofreu um onda de ataques armados atribuídos a um grupo militante somali. Militantes do Al-Shabab prometeram realizar ataques terroristas no Quênia para vingar a presença do militar queniana na Somália, que enfrenta um combate contra insurgentes. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Quêniaterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.