Três morreram em atentado à seleção do Togo

Sobe para três o número de mortos no atentado sofrido pela delegação de futebol de Togo, em Angola, conforme um membro da equipe disse neste sábado.

AE-AP, Agencia Estado

09 de janeiro de 2010 | 13h21

O ônibus que levava a equipe de Ponta Negra, no Congo, para a cidade angolana de Cabinda foi metralhado por cerca de 30 minutos na sexta-feira, num ataque assumido por rebeldes da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (Flec). O motorista do ônibus morreu no atentado.

Em entrevista hoje a uma rádio francesa, o goleiro Kossi Agassa, que atua pelo time francês Istres, afirmou que morreram também um assistente técnico e um porta-voz da equipe. Pelo menos outras seis pessoas ficaram feridas.

A equipe, que estava em Angola para participar da Copa Africana de Nações, decidiu abandonar o torneio.

"A situação está muito comprometida. Estamos aguardando notícias sobre os feridos e esperamos deixar Cabinda ainda hoje", disse Thomas Dossevi, jogador de Togo, que defende o clube francês Nantes. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
AngolafutebolÁfricaTogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.