Três palestinos morrem durante operação "Espada de Gilad" em Gaza

Três palestinos, sendo dois militantes do Hamas e um oficial de Polícia, morreram na quarta-feira no norte da Faixa de Gaza após dois ataques do Exército israelense, informaram fontes da segurança palestina.Uma emissora de televisão israelense afirmou que a operação desencadeada no norte de Gaza adotou o nome da "Espada de Gilad", em referência ao soldado hebraico seqüestrado por milícias palestinasAs fontes explicaram que um grupo das Brigadas Al Qassam foi atacado com mísseis por uma patrulha de reconhecimento israelense, resultando em dois militantes mortos.Fontes médicas disseram que os militantes palestinos falecidos foram transferidos ao hospital Kamal Odwan, no norte da Faixa de Gaza.Um porta-voz das forças de segurança palestinas afirmou que um navio de guerra israelense bombardeou uma delegacia de Polícia próxima a uma praia do norte de Gaza, ferindo pelo menos 11 pessoas.Fontes hospitalares da região indicaram que três dos feridos se encontravam em situação crítica, um dos quais, um oficial de Polícia, morreu em conseqüência dos ferimentos.O Exército israelense penetrou no norte da Faixa de Gaza e tomou posições onde ficavam os assentamentos judaicos desmontados no ano passado por Israel, segundo disseram testemunhas.O Governo israelense aprovou nesta terça-feira uma série demedidas para intensificar suas operações em Gaza, em particular para impedir que milicianos disparem foguetes do norte da faixa contra solo israelense."O objetivo da operação, como foi definida desde o começo, é e continua sendo libertar o soldado seqüestrado Gilad Shalit e cessar os disparos de foguetes e bombas", diz o Governo em comunicado divulgado na quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.