Três parlamentares gregos do partido de extrema direita são libertados

Deputados do Aurora Dourada devem responder a processo sobre morte de rapper em liberdade

O Estado de S. Paulo,

02 de outubro de 2013 | 10h11

 Nikos Michos faz saudação ao deixar delegacia. Foto Konstantinos Tsakalidis/AP    

 

ATENAS  - A polícia da Grécia libertou nesta terça-feira, 2, três parlamentares do partido de extrema direita Aurora Dourada. Eles foram liberados sob fiança após prestarem depoimento sobre a morte do rapper antifascista Pavlos Fissas, em setembro. Os políticos devem ser julgados por formação de quadrilha, homicídio, agressão e porte ilegal de arma.

O deputado Ilias Kasidiaris foi solto depois de ter pago uma fiança de 50 mil euros e foi proibido de deixar o país. Ilias Panagiotaros e Nikos Michos também foram soltos.  Ao deixar o tribunal, Kasidiaris xingou e agrediu jornalistas que testemunhavam a sessão. Seu advogado, Pavlos Sarakis, disse que as acusações têm motivação política.

Um quarto parlamentar, Ioannis Lagos, ainda está preso e também aguarda julgamento. Os quatro haviam dados depoimentos perante um juiz em uma sessão do tribunal, que começou na terça-feira à tarde e prolongou-se durante a noite, terminando na manhã quarta-feira. O líder do partido, Nikos Michaloliakos, que também está preso, deve testemunhar no final do dia, enquanto um sexto parlamentar deve se apresentar ao tribunal na quinta-feira.

Para o governo, que prometeu erradicar o Aurora Dourada da política grega, as libertações não alterarão o projeto de lei que pretende coibir o financiamento da legenda, caso esses crimes sejam comprovados ."Essencialmente, isso não muda nada. As acusações ainda existem, a investigação está em curso e as provas estão sendo recolhidas", disse o ministro do Interior Yiannis Michelakis. "Estamos na primeira fase desta investigação".

A liderança do partido de extrema direita foi preso no fim de semana. O homem preso no local do crime se identificou para a polícia como um membro da Amanhecer Dourado. O partido negou veementemente qualquer envolvimento no assassinato.Um total de 32 mandados de prisão foram emitidos no caso, incluindo dois para policiais. As autoridades têm feito operações em domicílios de policiais com suspeita de ligações com atividades criminosas. O partido de inspiração nazista teve um forte crescimento durante a crise financeira na Grécia e se tornou o terceiro mais popular no país. /AP

Tudo o que sabemos sobre:
GréciaAurora Dourada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.