Três parlamentares paraguaios se reúnem com ruralistas

Três parlamentares paraguaios e o presidente da Federação da Produção, Indústria e Comércio do país participam em Brasília de almoço com representantes da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA). O objetivo, segundo os paraguaios, é mostrar ao governo brasileiro que não houve golpe no país e que tudo foi feito dentro do que determina a Constituição.

JOÃO DOMINGOS, Agência Estado

26 de junho de 2012 | 13h40

O presidente da Comissão de Relações Internacionais do Paraguai, senador Miguel Carrizosa, e o presidente da Comissão Constitucional do Senado, Miguel Saguier, ambos do Partido Liberal Radical, ressaltam que, dos 80 deputados, 76 votaram favoráveis ao impeachment; e de 45 senadores, 39 votaram pela saída de Fernando Lugo.

Saguier ressaltou que o sistema paraguaio não é igual ao brasileiro e que os parlamentares não podiam esperar três meses para tomar uma decisão. Além disso, afirmam, um representante da União de Nações sul-americanas (Unasul) já estava no Paraguai e tentaria fomentar uma rebelião nos quartéis. Por isso, tiveram que tomar rapidamente uma decisão.

Para o presidente da Federação da Produção, da Indústria e do Comércio do Paraguai, German Ruiz Aveiro, "espelharam por aí que houve golpe, e não houve". Segundo ele, não há problema de terras no país. "Os que querem trabalhar e produzir têm toda a oportunidade", afirmou.

Do lado brasileiro, participam do encontro o presidente da Frente Parlamentar, deputado Homero Pereira (PSD-MT), e o deputado Waldemir Moka (PMDB-MS) entre outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.