REUTERS/Yves Herman
REUTERS/Yves Herman

Suspeito de ferir 4 policiais morre durante operação antiterror na Bélgica

Incursão ocorria próximo ao bairro de Molenbeek, vizinhança que tem concentrado muitos extremistas

O Estado de S. Paulo

15 de março de 2016 | 12h47

BRUXELAS - Quatro policiais ficaram feridos nesta terça-feira, 15, durante uma incursão no sul de Bruxelas, na Bélgica, ligada à investigação dos ataques terroristas realizados em novembro em Paris pelo grupo jihadista Estado Islâmico, disse um oficial da região. O suspeito de ter feito os disparos morreu durante a operação.

A ação começou no início da tarde com duas trocas de tiros no distrito de Forest, próximo a Molenbeek, onde moravam diversas pessoas envolvidas nos ataques do dia 13 de novembro que deixaram 130 mortos. Depois, novos disparos foram registrados em uma área isolada pelos agentes na região, quando os quatro policiais foram feridos, de acordo com a Procuradoria Federal da Bélgica.

"Os agentes chegaram à porta de um apartamento e foram feitos disparados do interior do edifício em direção a eles. Vários policiais ficaram ligeiramente feridos", disse o porta-voz da Procuradoria Federal da Bélgica, Eric Van der Sypt. O atirador fugiu logo depois, afirmou o porta-voz da polícia do bairro de Midi, responsável pelos distritos de Forest, Anderlech e Saint-Gilles.

Há informações diferentes na imprensa belga sobre o estado de saúde dos feridos. Apesar de o porta-voz afirmar que os ferimentos foram leves, alguns veículos informam que um dos agentes está em estado grave.

As autoridades, que a princípio disseram que um dos suspeitos de ter feito os disparos teria sido "neutralizado", confirmaram mais tarde que ele morreu durante a ação. Mesmo assim, todo o distrito de Forest foi isolado. Duas linhas de bonde tiveram o funcionamento suspenso e vários policiais foram enviados à região.

O prefeito do distrito, Marc-Jean Ghyssels, já havia confirmado o tiroteio e indicou que "não foi determinado ainda o número de pessoas que fugiram", afirmou ao jornal Le Soir. Segundo o diário La Dernière Heure, duas pessoas teriam fugido pelos telhados das casas, o que não foi confirmado pela polícia de Midi.

Em razão dos incidentes, o governo da Bélgica deve convocar o Conselho de Segurança Nacional.

A Polícia da França informou que a operação não tinha como objetivo capturar Salah Abdeslam, de 26 anos, considerado mentor intelectual dos atentados terroristas de Paris e ainda foragido.

O ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, afirmou que a operação foi realizada de forma conjunta entre os dois países. "Uma equipe de policiais belgas e franceses atuou e foi alvo de disparos procedentes de armas pesadas", disse o ministro.

Policiais belgas haviam fechado uma parte da cidade enquanto faziam as buscas. Autoridades pediram aos moradores da região que não saiam de suas casas e a escola primária próxima ao local do incidente foi fechada, segundo testemunhas. /REUTERS, ASSOCIATED PRESS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.