Três reféns funcionários da ONU são libertados no Afeganistão

Três funcionários da ONU seqüestrados no Afeganistão foram soltos, depois de quase quatro semanas em cativeiro. Autoridades afirmam que nenhuma concessão foi feita para libertá-los. A notícia representa um alívio para os representantes da ONU e funcionários internacionais da comunidade de 2.000 estrangeiros que vive na capital, Cabul, e que se encontram virtualmente sob prisão domiciliar desde o seqüestro."Eles estão fora", disse o porta-voz da ONU, Manoel de Almeida e Silva. "Me disseram que estão animados e parecem bem". O diplomata filipino Angelito Nayan, a irlandesa Annetta Flanigan e o kosovar Shqipe Hebibi foram retirados de um veículo da ONU em 28 de outubro, em Cabul. Eles foram os primeiros estrangeiros tomados como reféns na capital afegã desde que o Taleban foi derrubado, em 2001.O ministro do Interior do Afeganistão, Ali Ahmad Jalali, diz que houve negociação com os seqüestradores, mas que nenhuma exigência foi atendida. Policiais afegãos afirmam que houve pedido de resgate em dinheiro. O grupo que reivindicou o seqüestro, Exército dos Muçulmanos, havia exigido a libertação de camaradas presos. A libertação ocorre após a invasão de duas casas em Cabul por soldados americanos, que prenderam 10 pessoas por suposto envolvimento nos seqüestros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.