Kay Nietfeld/DPA via AP
Kay Nietfeld/DPA via AP

Treze manifestantes são detidos em protestos antiglobalização em Hamburgo

Militantes saquearam supermercados, incendiaram carros e atacaram a polícia

O Estado de S.Paulo

08 Julho 2017 | 04h47
Atualizado 08 Julho 2017 | 05h25

HAMBURGO - Cerca de 1.500 ativistas antiglobalização protestaram pela segunda noite seguida em Hamburgo, cidade que sedia a reunião do G-20, o grupo das 20 potências mais industrializadas do planeta. Eles formaram barricadas, saquearam supermercados e atacaram a polícia com estilingues e coquetéis molotov. 

A polícia informou que as manifestações foram "extremamente violentas" nas primeiras horas do sábado, 8, nos arredores do bairro de Schanzenviertel.

Centenas de oficiais prenderam 13 manifestantes e alguns foram atingidos por bombas e barras de ferro. O governo da Alemanha enviou quase 20 mil policiais de todo o país para Hamburgo como uma medida antiterror e para evitar a violência nas marchas convocadas.

Na sexta, dia em que começou a reunião, milhares de manifestantes protestaram e entraram em confronto com a polícia, que usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar a multidão. / AP

Mais conteúdo sobre:
G-20Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.