Tribo seqüestra 150 soldados paquistaneses no oeste do país

Militares foram destacados para operação contra insurgentes na perigosa província do Waziristão do Sul

Efe,

31 de agosto de 2007 | 10h27

Cerca de 150 soldados declarados desaparecidos na quinta-feira na área tribal paquistanesa do oeste do país estão sob poder de insurgentes islâmicos, confirmaram nesta sexta-feira, 31, à Efe fontes dos serviços secretos.   Os militares viajavam em 16 caminhões pela região do Waziristão do Sul, quando um grupo de cerca de 200 islamitas das montanhas interceptou o comboio na área de Momi Karam, dominada pela tribo Mehsud, e tomou os soldados como reféns.   Fontes da inteligência afirmaram que o governo tinha se comprometido a não posicionar mais tropas no Waziristão do Sul nem realizar operações militares, em troca da libertação, no último dia 28, de 19 membros das forças de segurança que estavam seqüestrados.   Um porta-voz da tribo, Zulfikar Mehsud, disse nesta sexta que os soldados tinham sido destacados para realizar uma operação contra os insurgentes, e que esse era o motivo da detenção.   No entanto, o porta-voz do Exército, Waheed Arshad, negou inclusive a existência de um seqüestro, e disse apenas que alguns soldados não tinham podido chegar a seu destino na quinta-feira devido ao mau tempo, e que chegariam nesta sexta.   Apesar da versão oficial, as fontes de inteligência em Islamabad disseram à Efe que o Exército enviou uma delegação tribal para manter uma reunião com Baitullah Mehsud, o líder da tribo que deteve os soldados, com o objetivo de conseguir uma libertação segura.   Segundo as fontes, os líderes já poderiam ter convencido o líder tribal - que exige a retirada do Exército do território sob seu controle - a libertar os seqüestrados.   Os seqüestradores poderiam ter confiscado veículos militares e armas e dividido os soldados em vários grupos espalhados por diferentes áreas. Entre os reféns está um coronel do Exército e pelo menos nove altos oficiais, além de oito funcionários do governo.   Um senador do Waziristão do Sul, Saleh Shah, afirmou ao canal de televisão Geo TV que na realidade tudo se deve a um mal-entendido e que a tribo está protegendo os militares porque uma ponte da estrada estava danificada.   Nesta sexta, militantes pró-Taleban libertaram - após um acordo obtido na segunda-feira com o governo - 19 membros das forças paquistanesas de segurança que estavam sob seu poder no oeste do Paquistão, informou uma fonte oficial.   As áreas tribais paquistanesas, que nunca estiveram sob controle total do governo, são palco de duros combates e atentados por parte de militantes da Al-Qaeda e simpatizantes taleban, principalmente após a invasão da Mesquita Vermelha, em julho, em Islamabad.   Nas últimas cinco semanas, mais de 250 insurgentes islâmicos e cerca de 60 soldados morreram no oeste do Paquistão durante operações militares.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.