Tribunais japoneses rejeitam ações de vítimas da 2ª Guerra

Justiça reconhece a ilegalidade de algumas medidas tomadas pelo governo

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

Dois tribunais das cidades de Kochi e Sapporo rejeitaram nesta sexta-feira, 15, ações de vítimas da Segunda Guerra Mundial. Elas foram movidas por dois grupos de japoneses levados à China durante a guerra. Eles pediam indenizações pelo atraso na sua repatriação. No entanto, a Justiça reconheceu que algumas das medidas tomadas pelo governo durante o retorno dos deslocados foram ilegais, segundo a agência Kyodo. Um dos grupos reunia 85 pessoas estabelecidas na ilha de Hokkaido e o outro tinha 56 pessoas da província de Kochi, no sul do país. As ações reivindicavam uma compensação de ¥ 33 milhões (US$ 268.172) para cada um dos afetados. O juiz de Sapporo afirmou que o governo japonês não tinha a obrigação de garantir uma volta rápida dos deslocados nem de fornecer ajuda a eles após a repatriação. Em Kochi, a sentença reconheceu como ilegal o status de estrangeiros dado aos deslocados que retornaram a partir de 1973 ou mais tarde. Do grupo de Hokkaido, formado por japoneses que só voltaram para o Japão entre 1975 e 2001, 80% vivem dos subsídios públicos. A sua média de idade é de 67 anos.

Mais conteúdo sobre:
Segunda Guerra Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.