Tribunal argentino arquiva denúncia contra a presidente Cristina Kirchner

BUENOS AIRES - A denúncia contra a presidente da Argentina, Cristina Kirchner por um suposto plano para encobrir os iranianos suspeitos pelo atentado contra a Associação Mutual Israelita-Argentina (Amia), em 1994, foi formalmente arquivada nesta terça-feira, por uma decisão do tribunal penal máximo do país. A denúncia havia sido apresentada em 14 de janeiro pelo promotor Alberto Nisman, que apareceu morto com um tiro na cabeça quatro dias depois, por causas ainda investigadas pela Justiça.

O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2015 | 20h25

A Câmara de Cassação Penal resolveu respaldar a decisão do procurador-geral ante esse tribunal, Javier De Luca, que em 20 de abril argumentou que os fatos imputados contra a presidente "não configuram delito" e não prosseguiu com a ação penal. Um juiz federal e um tribunal federal haviam se pronunciado na mesma linha, no fim de fevereiro e em março, respectivamente.

Com isso, o caso contra a presidente somente poderia ser reaberto se aparecessem novas provas ou outros indícios.

Segundo Nisman, o governo havia combinado com o Irã um plano para proteger os iranianos acusados pelo ataque contra a Amia, no qual morreram 85 pessoas. Em janeiro de 2013, Buenos Aires e Teerã assinaram um memorando de entendimento, com a intenção declarada de avançar na investigação do atentado. O documento, porém, não entrou em vigor pois foi considerado inconstitucional por um tribunal federal argentino. Para Nisman, o objetivo desse memorando era restabelecer as relações comerciais entre os países e trocar grãos por petróleo, no contexto da crise energética do país latino-americano. A presidente sempre negou as acusações. / Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinapresidentejustiçaAmia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.