Tribunal chinês rejeita recurso do artista Ai Weiwei

Um tribunal de Pequim rejeitou nesta sexta-feira o recurso do artista dissidente Ai Weiwei contra a multa de $ 2 milhões que sua empresa recebeu por sonegação de impostos, medida que ele afirma ser parte de uma campanha de intimidação para fazê-lo parar de criticar o governo.

AE, Agência Estado

20 de julho de 2012 | 09h47

"O veredicto de hoje significa que, após 60 anos da fundação de nosso país, nós ainda não temos os procedimentos legais básicos, a verdade não é respeitada e eles não dão aos contribuintes e cidadãos nenhum direito de defesa", disse Ai em seu estúdio, já que a polícia não permitiu seu comparecimento à audiência. "Todo o sistema legal está em um estado sombrio", afirmou ele.

Ai ficou preso durante três meses no ano passado, resultado da repressão contra dissidentes na China. Após sua libertação, autoridades multaram a companhia de design Falso Desenvolvimento Cultura de Pequim Ltda., propriedade de Ai, em 15 milhões de yuans ($ 2,4 milhões). A empresa então processou a agência de impostos.

Nesta sexta-feira, o tribunal do distrito de Chaoyang anunciou o veredicto em meio à forte presença de forças de segurança, com policiais uniformizados e à paisana bloqueando ruas e forçando jornalistas e diplomatas a deixarem a área.

Escultor, fotógrafo e artista plástico, Ali utiliza sua arte e a internet para chamar atenção para as injustiças da sociedade chinesa e a necessidade de mais transparência no governo. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAAI WEIWEI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.