Arquivo/NYT
Arquivo/NYT

Tribunal chinês vai julgar recurso de Bo Xilai nesta semana

Corte de Shandong deve confirmar a condenação do político dada pelo tribunal de Jinan

AE, Agência Estado

21 de outubro de 2013 | 09h12

PEQUIM - O Supremo Tribunal do Povo da Província de Shandong afirmou nesta segunda-feira, 21, que deverá realizar uma audiência nesta semana para julgar o recurso de apelação de Bo Xilai, político chinês condenado à prisão perpétua no mês passado.

Bo foi considerado culpado dos crimes de peculato, corrupção e abuso de poder pelo Tribunal Intermediário do Povo de Jinan. O político nega as acusações.

O Supremo Tribunal do Povo da Província de Shandong disse em um comunicado em seu website que o recurso de apelação deve ser ouvido na sexta-feira 25 pela manhã (horário local). Bo deve receber permissão para comparecer ao tribunal e acompanhar a sessão. O Tribunal descreveu a audiência como "aberta", mas o acesso deverá ser limitado a alguns meios de comunicação oficiais e membros selecionados do público.

A decisão do tribunal de Jinan pode ser confirmada, mas a Justiça também pode modificar a sentença ou pedir um novo julgamento. Acredita-se que a corte de Shandong manterá o veredicto, porque a condenação de Bo foi vista por analistas políticos como predeterminada pela liderança do Partido Comunista, que controla o sistema judicial.

Bo, que já foi o chefe do partido na megacidade de Chongqing, havia ganhado notoriedade antes de sua queda em um dos escândalos políticos mais complicados da China em décadas. A questão foi desencadeada no ano passado quando um ex-chefe de polícia alegou que a mulher de Bo havia assassinado um empresário britânico.

A ambição de Bo e sua tendência por chamar atenção também rompia com a regra do consenso da China e se mostrava um desafio para o presidente Xi Jinping, que subiu para a posição de liderança no ano passado./ AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.