Tribunal da China sentencia 14 pessoas à prisão por explosão em oleoduto

Um tribunal da China sentenciou 14 ex-funcionários da indústria do petróleo e de governos locais à prisão, após mortíferas explosões há dois anos na cidade de Qingdao, no leste do país, informou a imprensa estatal. As sentenças anunciadas nesta segunda-feira são as mais duras penas pelas explosões de novembro de 2014, que mataram 63 pessoas.

Estadão Conteúdo

30 de novembro de 2015 | 10h14

Em agosto, explosões em um depósito na cidade portuária de Tianjin, no nordeste do país, mataram 173 pessoas. O incidente levou promotores a acusarem 11 autoridades municipais e executivos do porto por negligência e abuso de poder.

Nas explosões em Qingdao, oito funcionários da estatal China Petrochemical - a operadora do oleoduto, conhecida como Sinopec - foram sentenciados a entre três e cinco anos de prisão por violações de segurança, segundo a agência estatal Xinhua. Seis membros do governo de Qingdao pegaram entre três e três anos e meio por negligência.

Segundo a Xinhua, dez dos réus disseram ao tribunal que não planejam apelar das sentenças, enquanto os outros quatro poderiam apelar. Nenhum dos réus estava disponível para comentar e não estava claro se tinham representante legal. Todos os 14 réus estavam sujeitos a penas de até sete anos de prisão. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaoleodutoexplosãosentenças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.