Marvin Recinos / AFP
Marvin Recinos / AFP

Tribunal de El Salvador absolve mulher presa acusada de tentar matar filho após ser estuprada

Imelda Cortez, de 20 anos, deu à luz em uma latrina e deixou o bebê no local, mas não sabia que estava grávida; ela passou mais de 18 meses na prisão em razão das rígidas leis antiaborto do país

O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2018 | 09h48

SAN SALVADOR - Uma mulher de El Salvador acusada de tentar assassinar seu bebê recém-nascido depois de ser estuprada pelo padrasto foi libertada por um tribunal nesta segunda-feira, 17, após passar mais de 18 meses na prisão em razão das rígidas leis antiaborto do país.

Imelda Cortez, de 20 anos, deu à luz em uma latrina em abril de 2017 e deixou o bebê no local. Mais tarde, quando recebeu atendimento em um hospital, os médicos suspeitaram que ela havia tentado realizar um aborto.

A Corte determinou que Imelda, que não sabia que estava grávida, não tentou matar a filha. A bebê sobreviveu.

Ao deixar a Corte, Imelda, que foi presa pouco depois do parto, foi recebida por parentes e ativistas de direitos humanos que seguravam cartazes exigindo sua libertação. O padrasto dela foi preso e aguarda julgamento, informaram procuradores salvadorenhos.

Nas últimas duas décadas El Salvador adotou algumas das leis mais severas do mundo contra mulheres que fazem abortos ou aqueles que são suspeitos de auxiliá-las, mesmo quando a vida da mulher está em risco. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.