Tribunal de Guantánamo poderá ser retomado em 2007

O tribunal militar de Guantánamo poderá retomar os julgamentos da prisão americana em Cuba no início de 2007 caso o Congresso aprove uma nova legislação para julgar os detentos, informou nesta quarta-feira o promotor chefe para detentos da base.O Departamento de Defesa terá três meses após a aprovação da legislação para propor novas regras para o tribunal, informou o coronel da Força Aérea Morris Davis. "Espero que voltemos à corte no início do ano", disse o promotor chefe. Os Estados Unidos acusaram dez prisioneiros de terem cometido crimes e iniciaram audiências na base antes de a Suprema Corte determinar que o tribunal violara leis norte-americanas e internacionais, e que precisava de aprovação do Congresso para retomar as audiências. Nesta quarta-feira, o presidente norte-americano George W. Bush divulgou sua proposta para julgamento de detentos e disse que os Estados Unidos enviaram 14 "importantes líderes terroristas" para o centro de detenção no leste de Cuba.Entre os supostos líderes citados pelo presidente está Khalid Sheik Mohammed, que acredita-se ter sido o número três da Al-Qaeda antes de ser capturado no Paquistão, em 2003.Davis disse que os militares provavelmente processarão cerca de 75 detidos e buscarão a pena de morte para alguns casos. "Obviamente, alguém desta magnitude (...) poderá estar sujeito à pena de morte", disse ele, referindo-se a Khalid Sheik Mohammed.Em Guantánamo, oficiais se negaram a fornecer qualquer detalhe sobre a chegada de novos detentos. Os novos presos elevaram para cerca de 460 o número de detentos na prisão. "É nossa política tratar todos os detentos humanamente", disse o militar Robert Durand em um comunicado enviado direto da base.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.