Tribunal de Haia acusa presidente sudanês de genocídio

O presidente do Sudão, Omar Bashir, foi acusado hoje por um promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia, na Holanda, de promover uma campanha de genocídio na região de Darfur. Entre outras acusações, Bashir é suspeito de ser o mentor intelectual de uma tentativa de eliminar tribos africanas dessa província no oeste sudanês por intermédio de uma campanha de assassinatos, estupros e deportações.O promotor Luis Moreno Ocampo pediu ao painel de três juízes do TPI que emitisse um mandado de prisão contra Bashir para impedir a morte de cerca de 2,5 milhões de pessoas que continuam sendo atacadas por milicianos janjaweed, apoiados pelo governo sudanês.Moreno Ocampo alegou que, mesmo sabendo que o indiciamento pode tornar a situação mais difícil para os refugiados, pois a medida fecha as portas para agências humanitárias e forças de manutenção de paz, há um genocídio em andamento que deve ser parado a qualquer custo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.