AP Photo/John Minchillo
AP Photo/John Minchillo

Tribunal de Nova York julgará Donald Trump por fraude

Promotoria anunciou nesta terça-feira que pedido de arquivamento de caso relacionado a universidade aberta pelo magnata, que teria lesado milhares de estudantes, será levado adiante

O Estado de S. Paulo

01 de março de 2016 | 18h29

NOVA YORK - Um tribunal de Nova York rejeitou o arquivamento de um processo de fraude contra o pré-candidato republicano à Casa Branca Donald Trump e sua Universidade Trump, informou nesta terça-feira, 1º, a Promotoria, que acusa o magnata de ter prejudicado milhares de estudantes. 

O caso, que tem sido usado pelos adversários de Trump durante a campanha, terá sequência graças à decisão anunciada nesta terça, disse em comunicado o procurador-geral de Nova York, Eric Schneidermen. "Esperamos poder demonstrar nos tribunais que Donald Trump e sua farsa de universidade com fins lucrativos prejudicaram mais de 5 mil consumidores em milhões de dólares", afirmou Schneiderman.

As autoridades acusam a Universidade Trump de operar de forma ilegal, sem a licença adequada, e de enganar o público com sua oferta educativa, que não correspondia com a realidade. "A decisão de hoje é uma clara vitória de nossos esforços para fazer Donald Trump e a Universidade Trump responderem por fraudarem milhares de estudantes", completou o procurador-geral.

O magnata iniciou o projeto da Universidade Trump em 2005 e o fechou cinco anos depois, mudando seu nome para "Trump Entrepeneur Initiative", já que não tinha uma licença para operar como uma instituição de ensino superior.

O centro oferecia cursos sobre negócios imobiliários e finanças, com mensalidades de até US$ 35 mil, e foi alvo de outros processos por fraude na Califórnia, que também afirmam que as propagandas da Universidade Trump estavam repletas de promessas vazias.

O caso foi usado nas últimas semanas por outros pré-candidatos republicanos para atacar o magnata. A decisão do tribunal de Nova York coincidiu com a Superterça, um dos dias mais importantes das eleições primárias para a presidência dos EUA, no qual o magnata é favorito em quase todos os Estados onde há votação.

Trump se defendeu pelo Twitter, afirmando que sua universidade é aprovada por 98% dos alunos que a frequentaram. Ele disse ainda que poderia ter chegado a um acordo para encerrar o caso. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.