Tribunal de Viena confirma condenação de historiador que nega o Holocausto

A Suprema Corte da Áustria rejeitou o recurso judicial apresentado pelo polêmico historiador britânico revisionista David Irving contra sua condenação a três anos de prisão, sentenciada em 20 de fevereiro por um Tribunal regional de Viena, por ter negado o Holocausto contra o povo judeu.Segundo informa nesta segunda-feira a agência de notícias austríaca APA, a Corte desprezou os argumentos apresentados pelos advogados do historiador, mas não se pronunciou sobre a duração da pena.Assim, a condenação fica confirmada, mas sua duração poderia ser revisada em uma nova reunião do Tribunal regional de Viena, que pode ser realizada dentro de dois meses.Durante seu julgamento, o historiador, de 67 anos, se declarou culpado pelo crime previsto no código penal austríaco como "negacionismo", ou seja, a negação do Holocausto e dos crimes nazistas contra a humanidade, o que lhe deu popularidade nos círculos revisionistas de extrema direita.A condenação se baseia em dois discursos públicos de Irving na Áustria, realizados em 1989, nos quais negou a existência de câmaras de gás no antigo campo de concentração de Auschwitz, na Polônia.Além disso, alegou que a "Noite dos Cristais", primeira grande perseguição violenta contra os judeus da Alemanha e da Áustria, em 1938, não foi feita pelos nazistas.Irving foi detido durante uma operação policial em uma estrada no sul da Áustria, em novembro do ano passado, e está em uma prisão de Viena desde então.

Agencia Estado,

04 de setembro de 2006 | 15h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.