Tribunal do Paquistão liberta acusado de idealizar atentado em Mumbai, diz advogado

Um tribunal paquistanês libertou sob fiança nesta sexta-feira um homem acusado de planejar um ataque de militantes em 2008 em Mumbai, a capital financeira da Índia, que matou 166 pessoas e abalou gravemente as já tensas relações entre os dois países vizinhos, detentores de armas nucleares.

SYED RAZA HASSAN, REUTERS

10 de abril de 2015 | 09h42

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, havia condenado a perspectiva de fiança para Zaki-ur-Rehman Lakhvi, apenas alguns meses depois de Índia e Paquistão se envolverem no pior episódio de violência transfronteiriça em mais de uma década na disputada região da Caxemira.

"Lakhvi foi solto e ele está fora da prisão agora", disse seu advogado, Malik Nasir Abbas, à Reuters nesta sexta-feira. "Não sei para onde ele vai agora." Um funcionário do setor de segurança também confirmou a saída dele da cadeia.

Antes da libertação, o Ministério da Índia para Assuntos Externos reiterou que sua preocupação com a soltura de Lakhvi havia ficado clara para o Paquistão.

"O fato de terroristas conhecidos não serem efetivamente processados ??constitui uma ameaça real à segurança da Índia e do mundo", disse um porta-voz do ministério indiano. "Isso também corrói o valor das garantias repetidamente dadas a nós em matéria de terrorismo transfronteiriço."

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOSOLTAAGRESSORMUMBAI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.